FUNCAB - Fundação Professor Carlos Augusto Bittencourt

Voltar à página principal Redes Sociais Facebook Funcab Twitter Funcab Youtube Funcab


A Funcab acaba de lançar o Selo Ambiental. Através de sua Consultoria de Gestão Ambiental, a Fundação Professor Carlos Augusto Bittencourt assinou com o DNIT - Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes -, órgão do Ministério dos Transportes, contrato que objetiva a implementação de Programas Ambientais e o Gerenciamento Ambiental da obra da Ponte Internacional Sobre o Rio Oiapoque, que ligará o Brasil (Estado do Amapá), à França (cidade de Saint George, na Guiana Francesa).

À Funcab caberá obedecer aos preceitos do desenvolvimento sustentável e princípios estabelecidos na Política Ambiental do Ministério dos Transportes, bem como às políticas ambientais e diretrizes estabelecidas pelo DNIT, atendendo ainda às disposições do Plano Básico Ambiental (PBA) encaminhado ao Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) e aos órgãos estaduais de Meio Ambiente.

A Funcab já mantém uma equipe entre Brasília e Amapá executando o trabalho.

Obra rodoviária vai ligar o Amapá à Guiana Francesa

A ponte sobre o Rio Oiapoque, no Amapá começa a se tornar realidade este mês com recursos garantidos pelo Programa de Aceleração do Crescimento - PAC. A obra, com 378 metros de extensão, liga o Brasil à cidade de Saint George, na Guiana, por meio da BR-156, e vai fomentar as relações comerciais brasileiras com a província francesa e, através desta, com a União Européia.

Avaliada em R$ 54,7 milhões, a construção da ponte internacional tem prazo previsto para a conclusão dos serviços de 16 meses, incluindo o tempo necessário para a elaboração do projeto executivo e das obras de construção propriamente ditas. O projeto será executado pelo consórcio Ponte Estaiada Egesa/ CMT.

A construção da ponte atende aos interesses dos governos brasileiro e francês, que criaram uma comissão intergovernamental encarregada de definir e avaliar os principais pontos do projeto, como aspectos técnicos, ambientais e econômicos.

A expectativa é de que a ponte alavanque o desenvolvimento socioeconômico regional, aumentando o comércio dos principais produtos do Amapá para a Guiana. Além de grande produtor mineral e do extrativismo relacionado à floresta, como madeira, castanha do pará, palmito e açaí, o estado produz mandioca, arroz, milho e feijão, entre outros. A ponte internacional também deverá atuar entre os blocos econômicos no panorama da globalização, como Mercosul e União Européia. No momento, o DNIT realiza obras de pavimentação em outro trecho da BR-156/AP, entre Igarapé do Breu e Calçoene, que também fazem parte do PAC.

(Texto da Assessoria de imprensa do DNIT - 1º/07/2009)

< Voltar